ONISCIENTE CONTEMPORÂNEO
EU TE NUVEM

Livros

Este livro irá encantar qualquer leitor. Não apenas porque narra as vicissitudes de uma história de amor, mas mais do que isso, porque mostra as complexas personalidades de seus protagonistas, Horácio Calvino, um escritor, e Florence Lugon, aspirante a escritora. Seus diálogos giram em torno das limitações da arte e da própria escrita, a qual poderia ser, naturalmente, seu ponto de encontro. Para contar tudo isso, a autora usa de técnica impecável e profundo sentido do humano. Se suas personagens debatem-se em desencontros nos quais a Literatura é o epicentro e catástrofe, Cris Vazquez soube enfrentar com êxito os alçapões que tragaram Florence e Horácio, construindo uma história sólida, capaz de nos levar em frente para viver momentos de descobertas intelectuais e afetivas, e, o melhor, construindo verdadeira Literatura.

 

Luiz Antonio de Assis Brasil

“O abismo entre nós” fala de amor. Não apenas do amor romântico e sensual, próprio dos amantes. Cris Vazquez nos presenteia com um texto elegante onde escreve sobre o amor à literatura, à arte, ao rock e a um ideal a ser perseguido. Já foi dito, e escritores concordam, sobre a angústia de carregar uma história que quer ser contada. Com Florence não é diferente. E escritores conhecem o limite, o momento da dúvida, em que desistem porque não se sentem mais aptos a criar uma obra relevante. Como acontece com Horácio.

Ao longo do livro, o embate entre Florence e Horácio transforma-se numa analogia do que ocorre dentro da cabeça de um autor. As frases que estimulam a escrita em abismo, os trechos dos diários, as críticas ácidas, correspondências e as situações de encontros e desencontros entre as personagens são ricos materiais para compreender as nuances que compõem o fazer literário. Vinte anos é muito tempo para quem espera? E para quem se dedica a uma causa? Por vezes se tem vontade de sacudir Florence, mandá-la longe, exatamente quando queremos negar uma ideia que nos persegue sem encontrar vazão. Mas é da persistência de Florence que nasce o gosto pela escrita, este sentimento irresistível que nos faz perder dias de sol e noites de sono, testando frases, diálogos e bolando desfechos em frente ao computador, sem que ninguém nos obrigue a isso. Dedicação é a forma mais fiel de amor.

 

Irka Barrios

18 autores reuniram os melhores contos produzidos em um ano de criação literária. 18 olhares sobre as mais diversas situações cotidianas ou raras. Nesta antologia tão diversa é possível encontrar textos realistas, fantásticos e até literatura infantojuvenil.

“Tempus edax rerum” - o tempo devora as coisas - diz o Ovídio das Metamorfoses. Quando revejo os trinta anos de oficina de criação literária da PUC-RS, quando percebo seus resultados, quando me alegro com um livro como este, sei que o tempo não devorou o talento e a dedicação dos meus alunos que, após um bom período trocando ideias com seus pares em sala de aula, mostram-se dispostos a expor, de público, tudo o que sabem. Temeridade? Nunca. Como os conheço, um a um, posso dizer que os leitores sairão compensados com o prazer, o conhecimento e a transformação (lembrando W. Iser) que a boa literatura pode nos proporcionar. Parabéns a eles, e anotem esses nomes, porque essa é uma caminhada que os conduz aos melhores destinos.  

Luiz Antonio de Assis Brasil

Na antologia Translações Singulares, dezoito autores utilizam a ficção para fazer um recorte imaginário da realidade. A cada um deles foi oferecido um ano, desde 2000 até 2017. A partir daí, coube ao estilo de cada um dar forma ao período de tempo escolhido. São histórias autônomas que, quando colocadas em conjunto, quando lidas em ordem cronológica, fazem aparecer outra história. O próprio tempo experimentado de forma coletiva. O que temos aqui são quase duas décadas, dezoito voltas ao redor do sol, um quinto de um século jovem e confuso, uma história singular do agora. Entre os temas abordados no livro estão o tempo em si, o estado da política e a relação entre humanidade e tecnologia.

Autores:

Cris Vazquez (2000)

Laila Ribeiro (2001)

T. S. Marcon (2002)

Taiane Maria Bonita (2003)

Lúcio Humberto Saretta (2004)

Caroline Joanello (2005)

André Roca (2006)

Katherine Richinitti Krauser (2007)

Ana Luiza Tonietto Lovato (2008)

Arthur B. Telló (2009)

T. K. Pereira (2010)

Alexandre Alaniz (2011)

Daniella Borges (2012)

Ana Cláudia Martins (2013)

Débora Ferraz (2014)

Matheus Borges (2015)

Irka Barrios (2016)

Tiago Germano (2017)

 
 
 

© 2017 Cris Vazquez | Site criado por André Timm